quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Você trataria quem tem 1 ano a mais com muitos respeitos!?

  Ao caro leitor

  Você trata as pessoas com respeito no dia a dia?

  Sim!?

  Então, você conseguiria tratar uma pessoa, que é 1 ano mais velha do que você, de maneira diferenciada, usando modo respeitoso de fala ( Keigo )?

  Não!?

  No Japão, querendo ou não querendo, você precisará fazer isso incondicionalmente. Senão, os japoneses vão te considerar uma pessoa má educada, mesmo com o desconto do fato de que você é estrangeiro.


  Assim você não poderá conviver feliz com os japoneses lá no Japão. Aliás, na pior das hipóteses, você poderá sofrer por causa dos maus tratamentos pelos japoneses. Felizmente ou infelizmente,os japoneses têm cultura de respeitar as pessoas mais velhas mesmo que essa diferença de idade é mínima.

  Quem gosta de cultura japonesa deve ouviu falar duas palavras japonesas : “Senpai” e “Kohai”. Senpai é uma pessoa que tem mais idades,tipo "veterano" e Kohai é uma pessoa que tem menos idade,tipo "novato"

  Ou seja, quem está no segundo ano na escola primária seria “Senpai” em relação a quem está no primeiro ano  ( Kohai ).

  Na verdade, estes termos não são muitos usados na escola primária. Normalmente estes termos começam a ser usados logo depois que os alunos entrarem na escola secundária com idade de 12 anos.

  Isso ocorre porque a maioria dos alunos da escola secundária inicia atividades culturais tais como orquestra, teatro, Syougi ou atividades esportivas tais como futebol, beisebol,basquetebol, entrando em alguns clubes da escola, após término de todas as aulas.

  Nesses clubes a que os alunos pertencem, há hierarquias muito rigorosas conforme a idade de cada aluno.

  Os alunos de terceiro ano atuam como se fosse ditadores nos clubes e os alunos de segundo ano atuam como se fossem subordinados dos alunos de terceiro ano. E os alunos de primeiro ano são tratados como se fossem escravos nos clubes.

  Nos clubes de tênis, por exemplo, os alunos de primeiro ano chegam primeiro nos quadros e arrumam tudo limpando local antes que Senpais chegam.

  Enquanto Senpais estão treinando tênis nos quadros, Kohais (os alunos do primeiro ano ) ficam posicionados ao redor dos quadros para buscar bolas que saíram, torcendo Senpais em voz alta durante o treino inteiro.


  O pior é que Kohais nem podem tocar raquete durante primeiro 6 meses nos clubes. A única coisa que eles podem fazer é aprender tênis assistindo treino dos Senpais.

  Será que os brasileiros conseguem aguentar tudo isso???

  Acredito que a tendência é diminuir essa diferença de tratamento entre Senpai e Kohai  cada vez mais com o passar do tempo. Contudo, como isso já radica-se na cultura japonesa, não tem como mudar de um dia para outro.

  Aliás, a aprendizagem dessa cultura de respeitar a pessoa mais velha ajuda ao jovem desenvolver-se como um ser humano para que ele consiga se adaptar à sociedade rigorosa com mais facilidade.

  Só para completar, vou lhe informar que não é só idade que determina a atitude na hora de se relacionar com as pessoas.

  Quanto tempo você está na determinada comunidade também é um fator importante.

  Por exemplo, ao ingressar numa universidade ou numa empresa, quem entrou nessas entidades depois precisará tratar pessoas que já estavam lá com muitos respeitos, pois quem já estava lá tem mais experiência no estudo ou no trabalho.

  Por isso mesmo, ninguém gosta de fazer cursinho depois de terminar segundo grau, pois quem entrou um ano depois precisará tratar quem entrou na universidade direto como superior, apesar de ter a mesma idade, o que é considerado como uma humilhação.

  Quando a diferença de idade é muito grande entre duas pessoas, mesmo que o veterano seja muito mais novo do que novato, o veterano trata o novato de maneira respeitosa e diferenciada, pois a idade acaba prevalecendo tempo de permanência em certa entidade.

  É complicado,ne?

  O que eu me surpreendi no Brasil é o fato de que os brasileiros tratam as pessoas mais velhas como se fossem seus amigos. Os brasileiros não se importam as idades das pessoas com quem estão falando e tratam todos tudo igual.

  Essa cultura traz pontos positivos e pontos negativos.

  Um dos pontos positivos seria a facilidade de fazer amizades com pessoas de qualquer idade.  Graças a essa cultura, os novatos ou os jovens podem dar sua própria opinião sem fazer cerimônia aos veteranos ou os mais velhos.

  Em consequência disso, um dos pontos negativos seria a falta de respeito às pessoas mais velhas. Os jovens acabam se comportando de maneira grosseria diante das pessoas mais velhas.

  Pessoalmente eu gosto muito dessa cultura brasileira de não se importar idade na hora de se relacionar com as pessoas, pois não tem muitas regras que nem no Japão.

  Só que às vezes eu me encontro com brasileiros que tratam as pessoas sem devidos respeitos. Aí eu sinto a saudade da cultura japonesa de respeitar as pessoas mais velhas.

  Não existe uma cultura totalmente correta. Cada cultura tem seu lado positivo e negativo. Espero que cada povo aprenda culturas boas de outro país.

  Eu repito a pergunta.

  Você conseguiria tratar uma pessoa, que é 1 ano mais velha do que você, de maneira diferenciada, usando modo respeitosa de fala?

  ;)


Comentários
12 Comentários

12 comentários:

Leo SKHM disse...

Yukipoaさん,

Se eu não me engano, as empresas japonesas ainda se utilizam bastante desta filosofia do respeito aos mais velhos e veteranos na hora de promover funcionários. O tempo de empresa geralmente é mais determinante para a promoção do funcionário do que o mérito em si.

Um funcionário que é promovido principalmente por causa do tempo de empresa tende a ficar acomodado, pois o seu talento e esforços serão secundários em uma futura promoção. Logo este tipo de prática tende a minar a competitividade das empresas japonesas em relação as empresas ocidentais. A meritocracia deveria prevalecer sempre.

Eu acredito que inicialmente deve-se respeitar a todos indiscriminadamente. Mas como se diz no Ocidente: “respeito a gente conquista”. Eu por exemplo não respeitaria alguém que me desrespeita.
O respeito aos mais velhos é correto e desejável. Mas se este alguém mais velho é desrespeitoso com os outros, então não merecerá respeito dos outros.

Ao meu ver uma mudança neste ponto(“diferença de tratamento entre Senpai e Kohai”) seria benéfica para a sociedade japonesa.

Ps: se você me permite,eu gostaria de sugerir dois temas:

1.O excesso de formalidade da sociedade japonesa em comparação ao excesso de informalidade da sociedade brasileira que em muitos casos acaba resultando em falta de educação. No Brasil até predidente é tratado pelo apelido(existe exemplo maior de informalidade?), como era o caso do ex-presidente Lula(Posteriormente, este apelido foi oficialmente adicionado ao seu nome legal para poder representá-lo eleitoralmente). Eu sei que os seus textos já são de certa forma esta comparação que eu proponho. Mas se possível eu gostaria de ver uma comparação mais ampla destas diferenças.

2.A baixa taxa de natalidade do Japão e suas consequências (a diminuição da população japonesa no futuro, o grande número de idosos na sociedade japonesa, diminuiçao da mão de obra e problemas previdenciários)

Leo SKHM disse...

Voltei! Erro de digitação:
- "predidente" -

"No Brasil até PRESIDENTE é tratado pelo apelido(existe exemplo maior de informalidade?), como era o caso do ex-presidente Lula(Posteriormente, este apelido foi oficialmente adicionado ao seu nome legal para poder representá-lo eleitoralmente)."

Acho que agora está certo.

Abs.

Marcio Reginatto disse...

Olá,

muito interessante, eu assisto as séries japonesess e noto uma diferença de tratamento, me parece muito respeitoso e ao mesmo tempo muito distante.
Como comentaste sobre as aulas de tênis que um brasileiro não aguentaria, eu concordo. E neste ponto não me parece respeitoso o trato dos mais velhos aos mais novos.

Eu já tratei com respeito pessoas mais novas no trabalho e em outros lado quando esses sabiam mais que eu, isso para aprender. Atualmente no meu trabalho eu tenho que dar um trato muito formal à pessoas muito mais jovens que eu, parece mais engraçado do que humilhante, no inicio eu não gostava muito hehehe, mas no final do mês eu me dei conta e resolvi levar na esportiva e não tomar como algo feio.

Nayara Konno disse...

Procuro tratar todos com respeito, independente da idade.
Claro que quando a diferença de idade é muito grande, no caso idosos, eu tento evitar gírias, de modo que a pessoa não fique deslocada.

Admiro esse tratamento usado no Japão, e concordo com o Marcio Reginatto, "parece muito respeitoso e ao mesmo tempo muito distante".

Alberti disse...

Bom dia Yuki! ^^

Eu não posso dizer com certeza se eu trataria educadamente uma pessoa 1 anos mais velha que eu, pois depende do modo que ela irá me tratar. Infelizmente é desse jeito que nos é ensinado, claro que minha mãe sempre frisou o cavalheirismo com as mulheres, idosos e superiores, contudo também ensinou que ao desrespeito nós damos o silêncio como resposta.

Então eu tenho que concordar com a frase "respeito a gente conquista". E admiro muito o fato do Japão ter esse respeito muito ligado à cultura, isso demonstra um espírito de comunidade que no ocidente deu lugar ao individualismo. É o famoso conceito que ensinam na história da renascença ocidental, o Antropocentrismo "o homem como o centro de tudo".

Então no ocidente o espírito de competitividade é tão grande que estamos dispostos a passar por cima de quem for para chegar ao sucesso, até mesmo dos mais velhos, pois já vi acontecer. É triste, mas ainda há gente educada de verdade que respeita a comunidade e não passa em cima dos outros.

Pronto desabafei... =P

Marcus Souza disse...

Olá Yuki ótimo post! bem sou de Minas Gerais aqui tratamento especial com mais velhos só quando esta pessoa é digamos 10 anos em diate a mais que você, como avós,pais tios, pais de amigos, sogra etc em Minas temos o costume de pedir " a benção " aos mais idosos, agora quando a pessoa é da sua idade ou menos tratamos de maneira normal eu acho que seria difícil no Brasil ser diferente por caus do costume!

Anônimo disse...

Acho que a estrutura da sociedade e diferente.O japao sempre foi imperialista dando valor a hierarquia,e o Brasil tem o lado igualitario onde todos sao iguais.
Mas eu trato todos com respeito desde que me respeite,senao eu ignoro,pois nao vale a pena brigar por gente mal educada.
Mas de uma coisa nao posso negar que seria a informalidade exagerada do Brasi,que se torna ate falta de educacao em determinadas situacoes.Percebi que apesar de sermos simpaticos,somos considerados mal educados.

Machado disse...

Parentesco, idade e até mesmo posição social não me levam a tratar mais ou menos respeitosamente alguem.

O respeito é conquistado com ações e pensamentos.

Tenho muito mais respeito por algumas pessoas muito mais jovens do que eu do que por alguns mais velhos.

Agora, o sujeito "se achar" só porque nasceu primeiro que eu ?!?! Ahahah, nem em sonho.

Anônimo disse...

Na boa, mil vezes o Brasil! aqui sabemos curtir a vida. Esse lance de tudo sempre certinho não é a minha praia.

juliaa disse...

Quando estava no colegial vi e discuti com alunos mais velhos por conta desse costume. Achavam que só por serem mais velhos deveriam ser respeitados quando na verdade eram mais imaturos do que pessoas bem mais jovens. E esse caso se aplica em situações gerais.

E concordo em tudo com o Machado.
Acho válido o respeito por mérito. Pessoas que tem algo a oferecer e/ou AGEM de forma que inspirem o respeito alheio, independente do tempo de permanência em algum lugar ou da idade.

Anônimo disse...

Nossa ! Sou bastante apaixonada pela cultura japonesa desde bastante pequena e considero visitar o Japão logo logo. Fico pensando se eu conseguiria, talvez, num futuro distante, morar lá por algum tempo, porém, vendo algumas características e tudo, percebo que minha adaptação seria BEM problemática. Trato as pessoas em pé de igualdade (claro que, ao conversar com idosos modero um pouco minhas maneiras dentre outras coisas) e não consigo me imaginar sendo respeitosa assim com alguém mais velha do que eu em apenas um ano. Mas, sabe, ainda bem que existam diferenças no modo de agir ao redor do planeta.O mundo é impressionante, não é? ^^

Tayzun Yamato disse...

Não no Brasil, mas sim no Japão(pois quem da as ordens e o dono da casa). Dentro de uma sociedade e preciso notar estes aspectos que agem de forma influenciava na consciência do indivíduo desse modo influenciando também no seu modo e agir ou ao esboçar determinada atitude frente a uma situação, pois uma comparação ótima com relação a isso seria a forma como nos comunicamos por meio da linguagem em meio a uma determinada sociedade, pois se falarmos Português no Japão ninguém iria entender.(qual e a relação disto com a forma que tratamos as pessoas), se pensarmos bem isto esta vinculado ao idioma em si, e também a determinada sociedade que faz uso assim como requerem, específicos valores morais, por exemplo na sociedade japonesa podemos ver que se não utilizarmos o tratamento especifico para determinadas pessoas estaríamos sendo "mal educados" mesmo que possamos utilizar um tratamento que não parece nenhum pouco ofensivo que seja de compreensão se não utilizarmos o "especifico" e o adequado naquela ocasião estaiarmos agindo fora dos padrões comportamentais aceitáveis dentro de uma determinada sociedade como a japonesa e essa sociedade notando o diferencial no comportamento apresentando pela pessoa retruca de forma repulsiva, certo que isso mesmo dentro de uma sociedade tende a variar de pessoa a pessoa. Vejamos no caso da sociedade brasileira, nota-se que não e necessário utilizar tratamentos específicos na maioria das vezes quando nos dirigimos a certas pessoas entretanto a algo ruim nisto estamos tratando as pessoas de forma "mal educada"?! serio correto dizer que sim em relação a sociedade japonesa entretanto e correto dizer que não em relação a própria sociedade brasileira como falei anteriormente aspectos das linguagem utilizada em determinada sociedade influenciam nisto assim como os valores morais específicos de uma sociedade, diferente da sociedade japonesa, a brasileira ela não te pede que você trate as pessoas de forma especifica você não estaria agindo de forma "mal educada" em hipótese alguma ao não fazer uso de tratamentos específicos não em um sentido bastante envolvente, mas a questão de fato e que não há este tratamento dentro do idioma se compararmos com o japonês, por exemplo não há como um estudante que faz o 1º ano do ensino fundamental tratar de forma mais respeitosa quem faz o 2º ano do ensino fundamental, não existe palavra neste caso e dentre varias outras ocasiões citadas, os chamados "keigo" estão implantados na sociedade japonesa mesmo havendo tratamentos que não seriam desrespeitosos entretanto que não seriam adquados, seria uma questão de " e bom mas precisa ser feito melhor " . Há poucas formas de tratamento se comparado ao Japonês aqui no Brasil, mas andam em desuso por causa da imenso massacre a normal culta ou seja utilização de gírias no dia dia e absurdo acho que se calcularem a quantidade de gírias utilizadas no português daria um dicionário de maior que o original da língua portuguesa, não de hoje isto e provável que todos os idiomas façam uso das gírias, neste caso as pessoas trocam o tratamento formal por uma gíria que talvez não seja ofensiva a determinada pessoa isto depende muito do seu significado e da pessoa neste caso. Se dentro da sociedade japonesa e necessária a utilização de "keigo" para sermos bem mais educados utilizando "keigo" então que usemos "keigo" para que sejamos tratados de uma boa forma assim como devemos ofercer o bom tratamento aparti do "keigo".

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics