domingo, 27 de outubro de 2013

A empresa onde você trabalha é "Black Kigyou"!?

  Ao caro leitor

  Já ouviu falar a palavra “Black Kigyou ( ブラック企業 )”?

  Apesar de ser uma das palavras que estão na moda no Japão, eu não ousei a tratar sobre isso num post, no qual tratava de palavras novas.

  Hoje eu gostaria de tratar sobre a realidade de trabalho no Japão.


  Black é preto.Kigyou é empresa. Então, se traduzir este termo ao pé da letra, ”Black Kigyou” significaria “empresa preta”.Contudo,assim não dá para entender,ne?

  Este termo é utilizado para as empresas que costumam praticar os seguintes atos.

  1. Não pagar as horas extras aos seus funcionários ou pagar as horas extras bem menos do que as horas extras correspondente às horas trabalhadas na realidade aos seus funcionários.
  2. Cobrar o resultado absurdo do funcionário para que ele não consiga alcançar a meta e se sinta inútil na empresa e deixe a empresa voluntariamente, o que é uma prática muito comum quando a empresa quer demitir funcionário determinado.
  3. Transferir funcionário de cargo alto para um setor específico, no qual ele faz trabalhos muito simples, para que ele se sinta inútil na empresa e deixa a empresa voluntariamente.
  4. Publicar um anúncio no classificado, no qual informa seu salário incluindo remuneração das horas extras.
  5. Não autorizar funcionário sair da empresa sob a ameaça de que a empresa vai entrar na justiça contra ele justificando que ele deu prejuízo à empresa devido à saída dele.
  6. Nomear o funcionário recém-contratado para um cargo alto como o chefe de um filial e pagar lhe o salário não proporcional ao este cargo.
  7. Deixar os funcionários num ambiente de trabalho onde ocorre assédio sexual ou xingamento absurda por superiores com frequência.

  Resumindo tudo isso, Black Kigyou é empresa que não trata de seus funcionários como um ser humano e abusa do seus serviços e suas bondades sem obedecer às compliances determinados pelo lei trabalhista.


  Como eu já tratei num post antes, a grande maioria dos universitários no Japão se forma empregado.Eles estão apavorados em relação ao Black Kigyou,pois eles não querem entrar na Black Kigyou de jeito nenhum.Só que é difícil distinguir Black Kigyou das empresas normais por parte dos estudantes, uma vez que eles nunca trabalharam em algumas empresas com carteiras assinadas antes.Ou seja, eles vão saber disso só depois que eles começaram a trabalhar na empresa.

  Mesmo que a empresa é reconhecida como uma das melhores empresas no ramo,isso não garante que a empresa ingressada não é classificada como Black Kigyou.Pelo contrário, graças ao trabalhos duros ou sacrifícios por partes dos seus funcionários ao longo das décadas, talvez essa empresa chegasse a ser reconhecida no mercado.

  Ou seja, o critério para saber se a empresa é Black Kigyou ou não depende de como cada um interpretar suas condições de trabalhos tais como expediente,benefícios,remuneração, férias, método de avaliação pelo RH na empresa.Mesmo que precise trabalhar muito duro, caso a empresa lhe oferecer remuneração ou promoção correspondente ao seu desempenho, ele não vai considerar a empresa como Black Kigyou.

  Como eu já lhe expliquei num post antes, os japoneses sonham em continuar a trabalhar na mesma empresa até que eles se aposentarem aos 60 anos, o que se chama de Syuushin Koyousei ( 終身雇用制 ).E mesmo recém-formados ainda têm esse desejo no fundo do coração.No entanto,deixou de existir isso na prática há muito tempo.

  Segue a figura, no qual mostra quantos por centos de empregados saíram da empresa dentro de 3 anos conforme a sua escolaridade.


   Como você pode ver na figura, cerca de 30 % dos graduados deixam as primeiras empresas que se ingressaram dentro de 3 anos!!

  Para os brasileiros que trocam de empregos toda hora, talvez este índice não é nada surpreendente.Contudo, como os japoneses em geral superestimam persistências dos trabalhadores, trocar empregos ou deixar empresa muitas vezes não são bem vistos pelos japoneses.

  Aliás, passando 35 anos, fica difícil arrumar empregos no Japão.Só quem está bem qualificado vai conseguir uma vaga nas outras empresa.E as empresas que são classificados como Black Kigyou aproveitam essa situação difícil dos empregados acima dos 35 e abusam dos seus serviços....

  Segundo vários reportagens que eu li, após o terremoto e Tsunami em 2011, muitos japoneses refletiram sobre suas vidas inclusive seus trabalhos e mudaram empregos, pelos quais lhes proporcionam mais sentido de vida do que salário.
  


  O dinheiro é importante sim, pois nós não podemos viver sem ele.No entanto, qual é sentido de viver trabalhando sem acompanhar crescimento dos seus filhos e desfrutar das coisas que a vida lhe oferece?Se o trabalho não lhe agradar nem um pouco, o que adianta ganhar muito dinheiro?

  Aos 23 anos, eu entrei numa empresa de software no Japão junto com 30 colegas.Após 2 meses de treinamento para aprender linguagem C e Unix, a empresa me mandou para centro de desenvolvimento de telecomunicação.Lá eu tinha que trabalhar como programador sob um chefe da outra empresa maior.Ou seja, eu fui vendido como empregado “terceirizado” (escravo). O meu chefe da empresa me apresentou como programador que tem 3 anos de carreira, apesar de que eu aprendi só linguagem C e Unix durante dois meses.

  Como o local de trabalho ficava meio longe da minha residência, levava 1 hora e meia na ida de trem lotado,sem poder me sentar, e levava mesmas horas na volta.Mesmo fazendo 80 horas de horas extra por mês, a empresa me pagava apenas 20 horas de horas extras e precisava declarar as horas extras conforme o que a empresa determinou.

  Como é que uma pessoa que aprendeu programação durante dois meses vai entender uma tecnologia de ponta?Eu me sentia extremamente inútil no trabalho e não via nenhuma vocação para programação infelizmente.Por isso, eu me demiti 6 meses depois e fui o primrio a sair da empresa entre 30 colegas.Só que todos os 30 colegas também deixaram esta empresa dentro de 5 anos.


  Talvez essa empresa fosse classificada como Black Kigyou hoje.Que seja, eu acredito que a grande maioria das empresas no Japão é mais ou menos assim ou pior.

  O que eu me preocupo é o fato de que os problemas em relação ao trabalho na empresa há quase 20 anos não estão nada resolvidos no Japão.

  ;)

  
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Renato disse...

É este fato que me faz preferir morar no Brasil do que muitos outros lugares do mundo. Admiro a cultura, a incrível organização e disciplina da sociedade japonesa, porem tenho a impressão de que o mercado de trabalho no Japão é bastante cruel e exploratório, sem tempo para o lazer e para família.

Anônimo disse...

No Brasil existe salário mediante lucro, nunca mediante prejuízo. Em blogs de brasileiros que moram no Japão é comum as queixas de assédio moral.

ImpMontezuma disse...

Muito interessante seu texto Yuki ^^... Eu sempre disse que o pessoal aqui no Brasil reclama demais... Nenhum lugar do mundo é perfeito.

Anônimo disse...

No Japão não existem Direitos Trabalhistas? Nem punição para empresas desonestas?

Aqui no Brasil, antigamente muitas empresas eram bem exploradoras (ainda existe tbm) então as pessoas começaram a lutar pelo direito de ter direitos assim por dizer...

Anônimo disse...

Sou descendente de orientais, gosto dos valores éticos e da cultura japonesa, porém, acho que não trabalharia no Japão. Aqui é sem dúvida um país de oportunidades. Trabalho numa grande empresa do setor financeiro e sempre trabalhei muito além do horário,há bastante cobrança de metas mas não tenho o que reclamar; é possível conciliar a família, lazer e o trabalho.
Não conheço a legislação trabalhista do Japão, mas tenho a impressão de que os japoneses não tem o costume de acionar o Poder Judiciário em geral; parece que a sociedade não aprova esse tipo de atitude.
Espero que essa nova geração, mais globalizada, mude alguns conceitos em prol do bem estar da sociedade japonesa.
Yuki, parabéns! Sempre com assuntos interessantes que desconhecemos.

yukipoa disse...

Obrigado pelos comentários.
Na verdade, todas as empresas no Japão não são "Black Kigyou".
Só algumas são.
Existem as empresas boas no Japão.
Precisaria procurar uma empresa adequada para cada pessoas.
;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics